Como o DevOps afeta o trabalho do CIO

De todos os cargos a serem afetados pela transição da TI tradicional para um modelo DevOps, talvez o mais crucial seja o papel do CIO.


O CIO não deve apenas gerenciar as mudanças de infraestrutura e processos que orientam esta nova forma de trabalhar o conhecimento aplicado, mas também reavaliar as funções básicas que um CIO deve executar, levando à possibilidade muito real de que o trabalho seja dividido entre vários pares, supervisionando desempenho, segurança, tecnologia e uma série de outros elementos.

Conduzindo tudo isso está a necessidade de implementar uma estratégia bem sucedida do modelo DevOps, e isso é difícil de fazer quando há pouca orientação nas práticas e modelos operacionais do DevOps, ou mesmo uma definição clara do que o “sucesso” realmente é. De acordo com Eran Kinsbruner, “tech guru” da empresa de testes de software Perfecto e autor do Digital Quality Handbook, os profissionais da DevOps e os CIOs já estão vivenciando uma desconexão em suas perspectivas de movimento em relação a coisas como estratégias, requisitos de experiência do cliente e até mesmo progresso básico.

Um recente relatório da Forrester mostrou que, enquanto 60% dos CIOs acreditam que o DevOps já foi implementado em suas organizações e, de fato, está se expandindo, cerca de metade dos profissionais DevOps acreditam exatamente no oposto.

Para assegurar uma transição suave, o CIO e os desenvolvedores devem concordar com três elementos-chave de um ambiente DevOps:

1) Deve haver um movimento rápido para automatizar testes, a fim de implementar o suporte contínuo em aplicativos e software em tempo real

2) Além disso, a empresa deve acelerar a migração dos principais sistemas de TI da infraestrutura legada para a nuvem, o que demonstrou ser mais estável e confiável que as arquiteturas tradicionais

3) Por fim, tecnologias avançadas como a Inteligência Artificial e a Internet das Coisas só devem ser implementadas se houver um benefício claramente identificável para o processo DevOps. Até que estas tecnologias amadureçam um pouco mais, elas podem realmente prejudicar a transição mais do que ajudar.

A transição para o DevOps também é afetada pelo fato de que o papel fundamental do CIO está evoluindo devido a uma série de fatores, além de mudanças nos modelos operacional e de desenvolvimento. Pesquisas recentes da empresa de TI TEKsystems sugerem que, na medida em que funções básicas continuam sendo terceirizadas em muitas empresas, a liderança em assuntos relacionados à tecnologia está migrando do perfil de um profissional técnico para gerentes de negócios. Isso coloca os CIOs em mais um ponto de vista transformacional em oposição ao mero suporte técnico, o que em muitos aspectos aumenta seu valor para a organização como executivos de visão e orientação mais estratégicas e orientadas para o negócio.

Uma coisa a ter em mente, no entanto, é os detalhes são importantes na transição para o DevOps, conforme pontua John W. Edwards, da InformationWeek. “São eles que podem levar a sérios problemas frente a mudanças muito bruscas. Assim como acontece com qualquer arquitetura, o primeiro passo é construir uma base sólida, que neste caso deve incluir coisas como ampla colaboração e alto grau de interoperabilidade do sistema. A partir daí, o CIO deve proceder a pequenos projetos, apenas para ter uma ideia do que funciona e do que não antes de se envolver com empreendimentos mais substanciais. Ao longo do caminho, espere encontrar uma resistência rígida daqueles que preferem manter o status quo em suas próprias áreas de responsabilidade ao invés de abraçar a necessidade mais ampla de mudanças organizacionais.

Provavelmente, a maior mudança que o DevOps representa em comparação a inovações anteriores da TI é que não é meramente uma questão de implementar a tecnologia mais poderosa e depois esperar para ver como ela será usada. Em vez disso, o processo aqui é revertido, com especialistas em tecnologia, gerentes de negócios e outras partes interessadas definindo seus resultados preferenciais primeiro e depois preenchendo a infraestrutura e as mudanças processuais para alcançar esses desejos.

Nesta perspectiva, o trabalho tradicional de garantir o melhor desempenho de sistemas e plataformas dará lugar a um alto desempenho de aplicativos e serviços.

Fonte: IT Business Edge

 

21