Habitat Builder, do Chef, faz o deploy de aplicativos de containers nativos na nuvem

O Chef anunciou essa semana o lançamento Habitat Builder (SaaS), fornecendo novos recursos de automação para desenvolvedores que trabalham com aplicações conteinerizadas nascidas na nuvem.


O Habitat Builder é uma extensão da tecnologia de automação open source Habitat, lançada pelo Chef em junho de 2016. Com o projeto Habitat original, o Chef forneceu aos desenvolvedores ferramentas para ajudar a automatizar o código do pacote para diferentes plataformas. O novo esforço do Habitat Builder dá um passo adiante, contudo, fornecendo uma plataforma SaaS tanto para construir como fazer o deploy de aplicativos de container para diferentes plataformas de orquestração de nuvens e containers.

O Docker tem sua própria abordagem no build de aplicativos conteinerizados com o Docker Compose, embora o que o Chef oferece com o Habitat Builder ajude a suportar o desafio mais amplo das operações de aplicativos nativos na nuvem, de acordo com Marc Holmes, VP de Marketing do Chef.

“Você pode usar o Docker para empacotar aplicativos; no entanto, isso não resolve o desafio para ambientes e arquiteturas mistos, que é a realidade de cada empresa e cada equipe”, disse Holmes. “O Habitat permite o empacotamento para o Docker, mas também para qualquer outro formato”.

Com o Habitat Builder, os desenvolvedores podem criar pacotes que podem ser exportados para serem executados no Docker, rkt, Mesos, Kubernetes e Cloud Foundry.

O Habitat Builder também pode ser conectado diretamente ao repositório de aplicativos de container do Docker Hub para publicar aplicativos diretamente

Além disso, Holmes garante que o artefato de construção do aplicativo de container atual é separado do artefato de deploy desejado, o que significa que um desenvolvedor pode mudar de um formato de saída para outro sem ajustar a compilação.

“Quando o Habitat faz o build de um container, ele começa calculando o gráfico de dependência do aplicativo e, em seguida, inclui o conjunto mínimo de artefatos necessários na imagem do container”, afirma Holmes. “Se você achar que o Docker não é adequado para você, ou que os containers não funcionarão bem com seu aplicativo, você precisará mudar o formato de exportação desejado do Habitat”.

As considerações sobre segurança são uma parte essencial dos processos do Habitat Builder em vários níveis. Holmes explica que as dependências de build do aplicativo conteinerizado são explicitamente definidas no plano de build. Como resultado das definições de dependência explícitas, Holmes afirma que o Habitat Builder pode prover rebuilds automáticos para pacotes downstream com base em alterações upstream. Por exemplo, se um aplicativo tiver uma dependência no OpenSSL e ela for corrigida, o aplicativo fará o rebuilt.

Parte da plataforma Habitat Builder é um componente chamado Supervisor Habitat, que permite aos desenvolvedores consultar todas as instâncias do aplicativo em execução para determinar quais versões de uma biblioteca estão sendo usadas. “Isso permite que você crie controles operacionais para determinar se um pacote vulnerável está sendo usado por um aplicativo”, disse Holmes.

O componente Supervisor do Habitat também fornece configuração automática para aplicativos, incluindo o clustering para ajudar a suportar operações de container. O supervisor do Habitat inclui uma API REST para verificar a saúde do aplicativo e fornecer visibilidade, de acordo com Holmes.

O mercado das plataformas de operações de container DevOps anda cada vez mais competitivo, com diferentes opções oriundas de diferentes fornecedores. Segundo Holmes, o Habitat Builder diferencia-se de outros disponíveis no mercado por conta do seu foco em fornecer um empacotamento consistente e simples de qualquer aplicativo para qualquer ambiente. Ele acrescentou que o Habitat Builder foi projetado para ser integrado com ferramentas de integração contínua/implementação contínua (CI/CD), como o Jenkins, e faz uso de toolchains como o Docker.

Atualmente, o Habitat Builder é uma oferta SaaS, embora o Chef tenha planos de fornecer outras opções no futuro, incluindo uma versão on-premise ou de nuvem privada do serviço.

Fonte: eWeek

21