8 dicas para gerenciar fornecedores de nuvem híbridos

O gerenciamento de fornecedores têm sido uma importante – ainda que pouco glamourosa – necessidade nos sistemas de TI. Algo que se prova ainda mais verdadeiro em uma era de nuvens híbridas. Os modelos híbridos de nuvem, especialmente em conjunto com uma estratégia multi-nuvem, envolvem o trabalho com muitas ofertas e fornecedores.

Além da infraestrutura de nuvem híbrida, uma organização é considerada “híbrida” também de várias outras maneiras: provavelmente está usando um número crescente de aplicativos SaaS, além de software local, por exemplo, e confiando em uma mistura de armazenamento on-premise e baseado na nuvem. Os líderes de TI mantém parcerias com dezenas, senão centenas, de fornecedores e provedores de diferentes tipos de serviços.

“Assim como acontece com muitos outros aspectos da computação em nuvem, o tratamento de vários fornecedores têm muito em comum com outros ambientes. Negociar preços, garantir a funcionalidade necessária e compreender roteiros estratégicos são algumas das etapas necessárias que um comprador precisa considerar”, diz Gordon Haff, “evangelista” de tecnologia da Red Hat. “Na nuvem híbrida, contudo, há algumas considerações adicionais”.

Como você gerencia vários fornecedores de forma produtiva e eficiente em um ambiente de nuvem híbrido? Talvez o mais importante: como você gerencia vários fornecedores de uma maneira que ajuda a alcançar os objetivos comerciais, sua estratégia de nuvem híbrida foi construída para catalisar em primeiro lugar? O site “The Enterprises Project” solicitou a Haff e a outros especialistas que compartilhassem seus pontos de vista a respeito: 

1. Conecte as necessidades de negócio diretamente aos fornecedores

 

Uma estratégia de nuvem híbrida bem sucedida deve mapear diretamente os objetivos de negócio críticos – como a nuvem híbrida ajudará a impulsionar uma iniciativa de transformação digital, por exemplo, ou como ela permitirá uma maior automação das tarefas de manutenção para otimizar a drenagem de recursos. O mesmo processo de pensamento é aplicável à seleção e gerenciamento de fornecedores em uma configuração de nuvem híbrida.

“Ao implementar uma estratégia de nuvem híbrida, é pertinente definir as necessidades de sua empresa e como elas serão gerenciadas na nuvem”, diz Kelly Begeny, gerente de canal da DSM Technology Consultants.

Não basta selecionar uma plataforma com base na própria tecnologia; faça isso com uma ideia clara de como irá orientar ou suportar as necessidades comerciais atuais. Desenvolver essa linha de base melhor permite medir e gerenciar a eficácia de fornecedores no futuro.

 

2. Conheça o que é difundido pela organização

É um desafio crescente para os CIOs: as tecnologias móveis e de nuvem são tão difundidas que a TI pode nem estar plenamente consciente de tudo o que está em uso na organização. O gerenciamento efetivo de vários fornecedores, no entanto, requer visibilidade de 360 graus para garantir que você esteja avaliando bem os custos, alocações de recursos e assim por diante.

“De quanta capacidade uma nuvem privada local on-premise possui antes dos novos investimentos [torna-se necessário] saber quais fornecedores IaaS estão em uso em toda a organização, bem como compreender conexões LAN e WAN e muitas outras mais”, diz Don. MacVittie, fundador da Ingrained Technology


3. Implemente uma estratégia de gerenciamento por fases

 

“Comece por gerenciar cada fornecedor individualmente – a maioria das empresas começa dessa maneira – para obter um rápido retorno do investimento (ROI) e para desenvolver os conhecimentos necessários para as próximas fases”, aconselha Alessandro Perilli, Gerente de estratégia da Red Hat. “Então, uniformize gradualmente a governança do ambiente multi-plataforma focando, uma a uma, nas áreas críticas para o gerenciamento híbrido da nuvem”.

Perilli compartilha alguns exemplos específicos desta abordagem: se você quiser desenvolver as capacidades de build, você deve se concentrar na camada de automação; Se desejar desenvolver as capacidades de análise, você deve se concentrar na camada de gerenciamento financeiro. E assim por diante.

“Como o último passo, estender o esforço de gerenciamento unificado para as áreas que foram governadas por ferramentas com poucos recursos a fim de minimizar a redundância em operações e habilidades”, afirma Perilli.

4. Ferramentas de gerenciamento de nuvem devem oferecer boa visibilidade

O conselho de Perilli é bastante válido, e se estende ao próprio ferramental. À medida que acessamos fases mais profundas de um plano de gerenciamento de vários fornecedores, as ferramentas de gerenciamento de nuvem corretas passam a ser especialmente cruciais.

“Usar vários fornecedores pode ser assustador se você não tiver as ferramentas certas. Encontrar um provedor de solução que use um portal do tipo ‘single pane of glass’ para provisionamento pode ser útil, especialmente se a GUI for fácil de usar”, afirma Begeny, da DSM. Ela acrescenta que uma ferramenta de gerenciamento de nuvem unificada pode ser especialmente importante para pequenas e médias empresas, onde as redundâncias operacionais mencionadas acima por Perilli podem ser especialmente letais.

“Para [empresas menores], acho que ter a opção de possuir ferramentas de vários fornecedores com a capacidade de gerenciá-los através de um console pode aumentar a produtividade e reduzir significativamente os custos de TI”, diz Begeny.

Haff, da Red Hat, também observa os potenciais benefícios de boas ferramentas de gerenciamento de nuvem em um ambiente multi-plataforma. “As plataformas de gerenciamento de nuvem híbridas muitas vezes podem repor algumas diferenças entre as nuvens”, diz.

5. Enfatize a compatibilidade e a portabilidade

Pense na compatibilidade em uma fase inicial do processo de seleção de fornecedores. Por exemplo, Haff aconselha perguntar: “Quais provedores de nuvem têm parcerias com seus fornecedores de software preferidos?”

A compatibilidade entre várias plataformas e fornecedores em um ambiente de nuvem híbrido ajudará a disseminar a portabilidade, que é um dos principais motivos pelos quais alguns CIOs seguem um modelo híbrido em primeiro lugar.

“A compatibilidade entre nuvens aumenta as opções e maximiza a portabilidade da carga de trabalho”, acrescenta Haff. “Embora a portabilidade nem sempre possa ser mantida, deve ser uma meta em um ambiente de nuvem híbrido na medida em que seja razoável”.

6. Os containers oferecem flexibilidade em cenários com vários fornecedores

Se a portabilidade for um requisito, é bom pensar nos containers. Eles têm papel importante a desempenhar no sucesso de vários fornecedores e da própria nuvem híbrida.

“Os containers tornam a organização mais adaptável”, diz MacVittie. As ferramentas de gerenciamento de containers devem suportar soluções multi-nuvem e facilitar a portabilidade. “Isso oferece a capacidade de responder a imprevistos, seja de um fornecedor que aumentou demais os custos a uma grande interrupção de provedor”, diz ele.

7. Muito cuidado com investimentos duplicados

Falando em custos: sim, você vai querer manter os olhos bem abertos para isso também. O que implica em uma gestão eficaz de múltiplos fornecedores para assegurar que você realmente precise de vários fornecedores para uma iniciativa específica de negócios ou tecnologia.

MacVittie compartilha o exemplo de um cliente corporativo que implementou dois aplicativos SaaS diferentes para automação de marketing.

“Qualquer plataforma poderia ter atendido suas necessidades, mas nunca consideraram o custo de manter as duas”, diz MacVittie. “Após algumas semanas de avaliação e entendimento de como cada um cumpriria cada papel no projeto, uma plataforma foi escolhida, economizando investimentos significativos a cada ano”.

O mesmo princípio é válido ao avaliar sua arquitetura de nuvem híbrida – e os fornecedores que a suportam – ao longo do tempo. A redundância nem sempre é uma palavra ruim em TI, é claro, especialmente quando se trata de infraestrutura. (Na verdade, provavelmente está na lista de razões de quem optou pela nuvem híbrida). O desperdício, por outro lado, é outro assunto.

8. Escreva políticas de segurança portáteis

 

Conforme examinamos anteriormente, as estratégias de segurança para ambientes híbridos de nuvem devem crescer junto com os esforços na nuvem. MacVittie compartilha uma recomendação específica ao gerenciar vários fornecedores em uma configuração de nuvem híbrida: certifique-se de que suas políticas e procedimentos de segurança sejam portáteis, porque eles precisarão fazer algumas viagens.

“Com uma crescente lista de locais para implementar controles de segurança e mecanismos diferentes para implementá-los em cada plataforma de nuvem, a política de segurança precisa cada vez mais atender a um objetivo, e as instruções processuais ou os scripts DevOps precisam implementar essas políticas em cada plataforma”.

Fonte: The Enterprises Project

21