AWS adiciona FPGAs à nuvem pública

O evangelista-chefe da Amazon Web Services, Jeff Barr, anunciou recentemente em seu blog que a AWS adicionou FPGAs Xilinx à Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2). A adição do novo hardware permitirá que os usuários criem aplicativos FPGA acelerados, mas a AWS também possibilitará a venda desses aplicativos no AWS Marketplace

“Estamos dando ao usuário a capacidade de projetar sua própria lógica, simulá-la e verificá-la usando ferramentas baseadas na nuvem e, em seguida, inseri-la no mercado em questão de dias”, escreveu Barr.

fpga
A instância usa o UltraScale+ VU9P de 26nm da Xilinx, que contém aproximadamente 2,5 milhões de elementos lógicos e 6.800 engines DSP (Digital Signal Processing). O FPGA é hospedado usando os processadores Intel Broadwell E5 2686 v4 e pode incluir até 976 GiB de memória, até 4TB de armazenamento SSD NVMe e de um a oito FPGAs.

Em instâncias com mais de um FPGA, o PCIe dedicado permite que os FPGAs compartilhem o mesmo espaço de endereçamento e endereço de memória e se comuniquem uns com os outros através de um PCIe Fabric em até 12 gigabytes por segundo em cada direção”, explicou Barr.

Os FPGAs dentro de uma instância compartilham o acesso a um anel bidirecional de 400 Gbps para comunicação de baixa latência e alta largura de banda, mas Barr enfatiza que o usuário precisará definir seu próprio protocolo para fazer uso desse recurso avançado.

Além da visualização do desenvolvedor F1, a AWS também está dando aos usuários o acesso a ferramentas como parte de uma AMI de desenvolvedor FPGA. A AMI pode ser iniciada em uma instância otimizada de memória ou otimizada para desenvolvimento e simulação e, em seguida, usar uma instância F1 para debug e testes finais.

A AMI inclui um conjunto de ferramentas de desenvolvimento como o Xilinx Vivado Design Suite que pode ser usado na nuvem AWS sem custo adicional. No entanto, isso requer que os usuários escrevam o código FPGA usando VHDL ou Verilog. Porém, é possível usar simuladores de terceiros, compiladores de linguagem de nível superior, ferramentas de programação gráfica e bibliotecas de IP FPGA.

Usuários brasileiros, no entanto, terão que exercitar um pouco a paciência, já que a instância F1 só está disponível atualmente na América do Norte, porém será expandida para várias outras regiões no início de 2017.

Fonte: insideHPC

21